11 gennaio 2009

In Sud America, le emittenti locali cadono nelle reti

Il Diário de Natal racconta il passaggio di una stazione locale in onde medie a una programmazione di rete, quella del giovane network Radio Clube Brasil. Questo è un fenomeno molto peculiare di tutto il Sud America e ha portato a una trasformazione (e per molti versi a un impoverimento) dell'offerta in termini di notizie a approfondimenti locali. Un continente dove le dimensioni geografiche hanno sempre alimentato una forte identità localistica nelle emittenti radiofoniche e dove le autorità statali hanno sempre faticato a imporre il concetto dell'emittenza pubblica, ha cominciato a vivere solo in epoca relativamente recente la problematica economica del sostentamento di questa identità. Le emittenti locali si devono coalizzare perché i mercati pubblicitari urbani non possono garantire risorse sufficienti per tutti. E sempre più spesso le reti hanno una connotazione religiosa, perché in quel caso i soldi arrivano anche senza pubblicità. Questo è tanto più vero nel caso delle onde medie, perché il segnale prodotto da queste emittenti spesso non è di qualità adeguata alle esigenze degli ascoltatori e degli inserzionisti.
La storia di Rede Clube Brasil, costituita lo scorso giugno, è in leggera controtendenza perché la programmazione non è religiosa ma le onde medie restano. Secondo i responsabili di Clube AM Natal, che promette di non limitarsi a ripetere solo i programmi prodotti e irradiati dal network, la stazione cercherà di preservare il più possibile la propria identità. L'avvio ufficiale delle trasmissioni con Rede Clube è prevista per la "terça", il martedì di questa settimana.

Clube AM vai integrar rede nacional de rádio a partir de terça

Fábio Cortez/DN

A Clube AM vira Super Rádio Clube e contará com suporte de uma das maiores redes de rádio do país

A partir da próxima terça-feira, 13, a Rádio Clube AM (antiga Rádio Poti, que opera na freqüência de 1270 Khz) passará a fazer parte de uma das maiores redes de Rádio AM do Brasil, dos Diários Associados: a Rede Clube Brasil. A mudança ocorrerá às 14h30, logo após o programa Bola ao Centro, comandado pelo apresentador esportivo, Jorge Aldir. Com isso, os ouvintes da mais tradicional rádio AM do Estado, terão acesso também, além da programação local, a uma ampla programação nacional e internacional, que é transmitida pela Rede Clube Brasil, via satélite. A partir de agora, a Rádio Clube AM também passará a se chamar a Super Rádio Clube e é a quinta a se integrar ao grupo que já conta com as emissoras do Distrito Federal, Campina Grande (PB), Fortaleza (CE) e Recife (PE).
Para o diretor gerente dos Diários Associados, Albimar Furtado, a Rádio Clube AM ou Super Rádio Clube ganhará em qualidade, fazendo parte da Rede Clube Brasil. ‘‘Mas isso não significa que teremos 100% de programação de Rede, ou que perderemos o vínculo local do nosso público ouvinte. A nossa rádio manterá sua identidade com Natal, realizando jornalismo local, sob a direção de Paulo Tarcísio Cavalcanti, assim como também manterá a mesma qualidade de sempre da programação musical e entretenimento. Só que agora, agregando também o que há de melhor na transmissão via satélite da programação da Rádio Clube Brasil’’, explicou.
De acordo com o gerente de todas as Rádios dos Associados, Arthur Luis Cardoso, sediado em Brasília (DF), a Rede Clube Brasil é uma das maiores do país em sua característica, já que o diferencial é que todas as emissoras de rádio pertencem aos Diários Associados. ‘‘Agora que todas as rádios farão parte da Rede, temos planos para 2009 de abrir para outras emissoras que quiserem se filiar’’, revelou Cardoso.
A criação da Rede Clube Brasil se deu em 18 de junho do ano passado, quando a Rádio Planalto AM - foi a primeira a ser instalada nessa concepção de Rede, uma rádio tradicional de Brasília (DF), com mais de 40 anos de existência e que teve uma resposta muito positiva dos ouvintes para a mudança. ‘‘Esse sempre foi um sonho do Grupo. Portanto, estamos realizando a união de todas as emissoras AM, com a entrada da Rádio Clube AM de Natal. Com isso, temos a possibilidade também de trabalhar de maneira mais forte e unida, tanto perante os artistas convidados, os ouvintes - que ganharão em qualidade de programação nacional - e dos anunciantes. Agora, cada rádio integrada poderá abrir espaços não só para anunciantes locais, como também para nacionais’’, disse Cardoso.
Indagado se a mudança de nome, assim como também a inserção de uma programação nacional não poderia causar estranhamento aos ouvintes, Cardoso disse que a experiência é contrária. ‘‘No caso da Rádio Planalto, nós tínhamos essa preocupação. Mas, o que vimos foi que a audiência aumentou. Porque os ouvintes tradicionais mantém sua fidelidade e outros ficam curiosos, sintonizam e não saem mais’’, disse continuando: ‘‘E tem outra coisa também, a gente respeita as características locais. Cada praça terá sua programação local, com as músicas que as pessoas gostam de ouvir, e também prestação de serviços à comunidade’’, complementou.
Com a inserção da Rede Clube Brasil, a Rádio Clube AM de Natal terá duas modalidades de transmissão: a via satélite, recebida em toda a rede, com programação nacional e participação de locutores nacionais. E a transmissão local, mantendo a programação já existente. Um projeto realizado por toda a rede e que, deverá ser inserido em Natal também, é o Encontro Marcado, no qual um artista é convidado para se apresentar ao vivo em determinado local, os fãs ouvintes são convidados e ele responde a perguntas, enquanto tudo é transmitido pela rádio. Em Brasília, já participaram artistas como Amado Batista e Capital Inicial; em Recife, passou por lá a Banda Calypso. ‘‘Vamos expandir esse projeto para todas as praças’’, garantiu Cardoso.
Manco a farlo apposta, finito di postare questa storia l'aggregatore mi suggerisce quest'altro articolo, questa volta del Correio de Sergipe, che racconta dell'ennesimo programma gionalistico (in onde medie, da Radio Atalaia AM), sacrificato a favore dei sermoni di un predicatore evangelico. E' la storia di Fernandes Dórea, un gionalista che entra così nella schiera dei duemila disoccupati censiti dal sindacato radiofonico di Sergipe. Nell'arco delle 24 ore di trasmissione, racconta Dórea, Atalaia AM ne dedicava solo tre alle notizie, dalle 6 del mattino alle 9. Adesso quella fascia sarà occupata da Daniel Fortes, che oltre a esercitare la professione di pastore evangelico è anche membro della camera municipale di Aracaju, la città da dove trasmette, su 770 kHz, Atalaia.
Jornalismo no rádio "pena" para ficar no ar
Data: 11/01/2009

De acordo com o Sindicato dos Radialistas de Sergipe, cerca de 2 mil profissionais estão sem trabalho no rádio. Em novembro deste ano, o radialista Fernandes Dórea (68) ficou sabendo que o programa jornalístico "Fala Sergipe," que ele apresentava junto com o também radialista Douglas Magalhães, na Rádio Atalaia AM, seria substituído por um programa que deverá ser comandado pelo pastor e atual vereador Daniel Fortes.
O programa, que ia ao ar das 6 às 9 horas da manhã, foi desativado no dia 1º de dezembro. Segundo o sindicato, cinco radialistas da área técnica foram dispensados e outros quatro da área artística também foram demitidos. Esta é a segunda vez que a Rádio Atalaia AM desativa o seu programa jornalístico para arrendar o horário, considerado nobre, para os evangélicos. "A saída de radialistas do rádio tem o dedo dos evangélicos", afirma Dórea, que atua no rádio desde 1968.
Em 2005, quando a Rádio Atalaia AM arrendou pela primeira vez o horário para um grupo evangélico, Dórea também comandava um programa jornalístico. Ele não chegou a ser demitido porque era dirigente sindical, mas ficou dois anos em casa sem trabalhar. "É uma situação angustiante", define. Fernandes Dórea é funcionário da emissora há 20 anos e mais uma vez foi mandado para casa porque tem imunidade até 2011.
Desde que os evangélicos começaram a crescer em ritmo acelerado nas rádios de Aracaju, uma grande polêmica surgiu em torno desses arrendamentos feitos pelas emissoras. "Quem arrenda não emprega", reclama Dórea. Talvez por isso muitos radialistas deixaram a profissão de lado e estão em outras atividades.
Fernandes Dórea conta que das 24 horas de programação da Atalaia AM, apenas três horas eram reservadas para o jornalismo, em cumprimento a lei que exige um percentual de música nacional, música local e de conteúdo informativo. "Agora a emissora está totalmente arrendada para os evangélicos e sem nenhuma função social", critica.

2 commenti:

Fabrizio ha detto...

ciao Andrea, riguardo alla radio digitale, mi piacerebbe sapere cosa ne pensi (e cosa ne pensa anche DRM Italia) di questa notizia:
http://www.digitalradiotech.co.uk/2008/12/uk_dab_excludes_drm+_euro_standard.php

Andrea ha detto...

Fabrizio, le considerazioni che stai facendo sono troppo importanti per essere commentate in un post che le farebbe oltrettuto sembrare off topic. Adesso provvedo a trasformare il tuo intervento in un post autonomo.